/cygdrive/d/Potencial/Br/Pages-completes/membrana/43.TXT
29-as cargas elétricas em excesso, que provocam a formação de um potencial elétrico, se localizam em torno da membrana celular: a superfície interna da membrana é coberta pelo excesso de ânios(–), enquanto que, na superfície externa, há o mesmo potencial cátions(+) falta de elétrons.
30:o potencial de membrana existe sob duas formas principais: o potencial de repouso e o potencial de ação.
31-
--
60-
61:curva demonstrativa de um potencial de ação. veja o aumento progressivo do potencial de repouso (área cinza) até chegar ao limiar de disparo. este aumento pode ser automático (nas células que determinam, por exemplo, o ritmo cardíaco) ou provocado por potenciais pós-sinápticos excitatórios, ou bem, como no caso dos estéreo-receptores, por estímulos físicos (mecânicos, térmicos, luminosos, etc).
62-
63:quando alcançado esse limiar, produz-se a abertura de canais de cálcio na membrana celular. estes são pontos na superfície da membrana que, sob ação de enzimas especificas, formam um poro permeável em forma específica para alguma substância, neste caso o cálcio. esta entrada de ca++ produz a apertura de canais de na+ que, por sua vez, permitem seu afluxo maciço (por gradiente de concentração) para o citoplasma, tornando-o mais positivo do que a superfície externa da membrana, ou seja, invertendo sua polarização. esse processo dura, aproximadamente, dez milisegundos e começa a ser revertido imediatamente, inicialmente devido à movimentação do k+ para o exterior da célula. esta situação restaura progressivamente a polarização inicial, que é completada quando, por ação da bomba de na+ novamente funcionante, este volta a ser expulso para o exterior, substituindo o k+ que, paralelamente, começa a entrar na célula. este processo dura, aproximadamente, 15 milissegundos (ver figura) na célula ciliada auditiva. devemos ressaltar que, durante o processo, a célula perde a sua energia potencial e fica incapacitada de ser novamente excitada, situação que somente voltará após o processo de restauração do potencial de repouso pela atpase (bomba de na+/k+). este período é chamado de
64:período refratário. vemos, então, que o potencial de ação é um processo que, uma vez iniciado, cumpre um ciclo que só acaba uando restabelecido o potencial de repouso. é um processo de tudo ou nada , sempre da mesma intensidade e que independe do tipo de estímulo que o provocou ou de qualquer outra situação simultânea. o período refratário, que possui uma fração absoluta e outra relativa, pode ser superado por estímulos suficientemente grandes o que permitiria ritmos de disparo mais rápidos.
65-
--
92-
93:através de tal sistema, a célula excitável, em particular os neurônios mantém uma diferença de potencial entre o meio intra e extracelular. é chamado potencial de repouso.
94-
95:mas, o que é o potencial de repouso
96-
97:o potencial de repouso ou também chamado de potencial de membrana corresponde à diferença de potencial elétrico encontrado entre a face interna e externa da membrana plasmática semipermeável. tal membrana deve estar livre de influências (estímulos), externas e tal potencial (em torno de -70 mv), deve ser estável para que seja um potencial de repouso, ou seja, não pode estar variando no período de tempo em que foi definido, pois se houver variação receberá outras nôminas como potencial eletrotônico, potencial de ação.
98-
--
119-
120:como podemos medir o potencial de repouso
121-
--
127-quando a ponta do eletrodo a penetra na célula, o potencial elétrico v diminui bruscamente para –70 mv como indica a figura ao lado.
128:na maioria das células, o potencial de membrana v permanece inalterado, desde que não haja influências externas. quando a célula seálépoteélulas, o potenctrulas,otencidáa de e membrana v perma­nece incitá haignas especde repouso
121- poteéialvotrupodmus­ônios mcde repouso
121-ésma intenr d supente,er parseálal valsufc um so, aa+ qchao aísórioo,nncipibomo palvotrcialmusôniositira) anime, por sangua infsegunosós-sináptico>
élulltânem intern–55ca arn–10ica o,nncipibomo ra) músônia) veromo nsós-sináptico>
éo nãe intern–30ca arn–55ca :na maioria 9
127-quando a p51- que independtérei definui bru difer­ença quequando a p52:cial de repouso, ou seja, nã v0 =indica aemquando a p53- de lar. estes são pque o pnct de n =i80 å:na maioria54-quando a p55:esinfm substâtenciade repouso e o potencial meáveoxuma :na maioria56-quando a p57-quando a p58:lasg meal de repouso.
94-quando a p59
127-quando a p63-quando a p64:tricas em excesso, que provocam +qarn–qm a formação de um potenciamcde repouso
121-em torno da membrana celular: a superfíciso dura,epouso 61-
92-
9184-quando a p85 menho, siti de c ser nocaso s sufunndepende té chal deu seja, inve o , ou seja, nã v0 =indica ,quando a p86-quando a